Da impotência a disfunção erétil – o que dizem os artigos científicos?

Imagine você encontrar aquela pessoa especial, consegue finalmente criar o clima perfeito e vive aquela noite incrível quando, na hora H, seu “amigo” não comparece e deixa você e sua parceira na mão.

Parece terrível, não é mesmo? Mas isso, infelizmente, é algo que pode acontecer. Todo homem vai falhar na cama em algum momento de sua vida. Isso é um fato, algo do qual não se pode fugir.

Quando a falha é algo pontual, que acontece por causa do cansaço ou da ansiedade, por exemplo, o homem precisa levantar a cabeça e seguir em frente, conversando com seu parceiro para se entendam.

Mas, quando falhar se torna algo frequente, pode ser um indicativo de que um problema sério está presente. Dentre as razões possíveis para um homem falhar na hora H está um fantasma impronunciável, mas que precisam ser discutidos e entendidos: a disfunção erétil. Conhecida também como impotência sexual.

O assunto, aliás, é ricamente abordado em artigos científicos, que relacionam os problemas de ereção, independente de seus nomes, à ejaculação precoce.

Você já havia pensado nisso? Sabia que os dois problemas estão intimamente ligados? Não? Então confira esse texto e veja como eles se relacionam.

Da impotência a disfunção erétil – o que dizem os artigos científicos?

O que é a disfunção erétil?

A disfunção erétil, também chamada de impotência sexual, é um problema que não tem idade. Literalmente, já que afeta desde os mais jovens até os mais velhos.

Segundo estudos recentes divulgados por especialistas em sexualidade, em todo o mundo 150 milhões de homens, de todas as idades, sofrem com a disfunção erétil. No Brasil, são mais de 10 milhões de impotentes.

No entanto, a impotência sexual é uma doença muito atribuída aos mais idosos por causa do percentual de pessoas acima dos 70 anos que apresentam a doença: 30%. No caso dos mais jovens, esse percentual é muito menor, de 12%.

Como dissemos na abertura desse texto, falhar é algo que infelizmente acontece (ou acontecerá) na vida de todo o homem. Em algum momento, ele deixará a desejar, e isso não só é normal como faz parte de seu desenvolvimento sexual e intelectual.

No entanto, quando esses episódios passam a se tornar frequentes, ocorrendo quatro ou mais vezes por mês, é preciso investigar o que está causando a impotência sexual e combater o problema de frente.

Impotência sexual: o que é?

A ereção não tem hora nem lugar para acontecer. Literalmente. Um homem pode ficar com seu membro ereto durante a noite, antes de acordar ou simplesmente quando está assistindo um filme ou um vídeo que não tenham conotação sexual.

Nesse processo, que pode ou não ter estimulação física, o pênis é irrigado por vasos sanguíneos distribuídos ao longo de todo o órgão. É essa irrigação extra que dá a força que o órgão precisa para conquistar aquele “up” e ficar ereto pelo tempo que durar a relação sexual.

Outro item importante nesse momento são os nervos que circundam todo o órgão sexual masculino. São eles que transmitem os impulsos que comandam a ereção e dizem aos corpos cavernosos quando segurar e quando liberar sangue para que o clímax aconteça.

Da impotência a disfunção erétil – o que dizem os artigos científicos?

Quando esse estímulo não chega ao órgão sexual ou não há sangue suficiente para irrigar bem o órgão, seja por obstrução das veias ou incapacidade do corpo de fazer esse fluído chegar até ele, ocorre a disfunção erétil.

Ou seja, o pênis não fica ereto, mesmo que o homem receba milhares de estímulos, sexuais ou visuais.

O que é ejaculação precoce?

Assim como a disfunção erétil, a ejaculação precoce é outro dos problemas que costuma tirar o sono de um homem, e não escolhe idade ou classe social para aparecer.

Estudos recentes indicam que de 20% a 30% dos homens enfrente esse problema ao menos uma vez na vida. Assim como acontece com a disfunção erétil, não conseguir adiar a ejaculação é comum. Isso se torna um problema apenas quando ocorre com frequência, de duas a três vezes ao mês.

Quando a ejaculação pode ser considerada precoce

Na ejaculação precoce, o orgasmo vem muito antes do esperado durante a relação sexual, e costuma frustrar um ou os dois parceiros de uma única vez, já que o homem costuma sentir que não é capaz de satisfazer a parceira como gostaria.

Quando essa ejaculação precoce se torna um problema e requer ajuda médica, o especialista decide identificar qual é o tipo de distúrbio para, então, saber como enfrentá-la.

Por exemplo, quem sofre de ejaculação precoce primária atinge o orgasmo antes mesmo da penetração, e pode aparecer desde a primeira relação sexual deste homem. Além disso, o problema tende a se agravar com o avançar da idade.

Já na ejaculação precoce secundária, o problema surge depois do aparecimento de doenças ou tramas, como hipertireoidismo, fimose, hipersensibilidade da glande ou, ainda, problemas neurológicos, psicológicos ou surgidos com o uso de medicamentos.

Como os artigos científicos orientam a resolução da impotência sexual eda disfunção erétil?

Nos artigos científicos, a resolução deste problema não deve ser deixada de lado, seja por vergonha ou por não conhecer sua real importância.

Aliás, esses textos costumam chamar a atenção para o fato de que muitos homens, com vergonha de não ser capazes de alcançar uma ereção, acabam se escondendo do mundo e não buscam uma solução para o problema.

Por isso, os artigos científicos que abordam esse tema repetem à exaustão a importância de que a pessoa procure um médico urologista e relate detalhadamente todas as dificuldades que está enfrentando.

Se possível, é recomendável também manter um registro escrito, com todas as falhas documentadas, para orientar melhor a ação do profissional.

Uma mudança no estilo de vida, priorizando alimentação mais saudável, a redução de alimentos muito calóricos ou com altas taxas de gordura e a prática de exercícios também são boas alternativas dadas pelos artigos científicos.

Em suma, esses textos mostram que falhar é algo recorrente na vida de todo homem, mas que não deve, em hipótese alguma, ser varrido para baixo do tapete.

Afinal, a disfunção erétil é um problema que requer atenção e pode prejudicar a vida de um homem em várias esferas.