Os problemas de ereção podem ser classificados como psicogênicos, neurogênicos, hormonais, vasculogênicos, induzidos por substâncias, estruturais e outras doenças sistêmicas. Na maioria das vezes, tem mais de uma causa (multifatorial). Ao contrário do que se pensava anteriormente, a prevalência de disfunção erétil psicogênica é reduzida proporcionalmente com a idade, sendo considerada muito pouco frequente em homens idosos.

Disfunção erétil fisiopatologia

Classificação da disfunção erétil fisiopatologia em idosos tem:

Psicogênica  – Ansiedade depressão; baixo nível econômico; viuvez

Tóxico  – Cigarro, álcool

Neurogênico  – Mielopatias; disautonomias; neuropatias periféricas; demência doença cerebrovascular

Hormonal / endocrinológico – Hipogonadismo; hipertireoidismo; hipotireoidismo; hiperprolactinemia etc.

Vasculogênico  – Tromboembolismo arterial; disfunção venosa

Farmacológico  – medicamentos antidepressivos, hipertensivos entre outros

Estrutural  – Doença de peyronie

Urológico  – Sequelas de prostatectomia; sintomas do trato urinário inferior

Sistêmico  – Doença renal crônica, DPOC, neoplasias, cirrose hepática, SAOS, HAS, hemocromatose

Alterações sistêmicas e alterações na estrutura e função do pênis ocorrem independentemente da doença e podem ter um impacto negativo na função erétil. Entre eles, a diminuição do número de fibras elásticas, os níveis de colágeno tipo III, testosterona (TT) (embora se pense que sua contribuição para o desenvolvimento de problemas de ereção seja pequena) e a perda de sensibilidade local com o que é necessário uma estimulação mais intensa e mantida para excitação.

Causas da disfunção erétil

A disfunção erétil está ligada a um grande número de causas, poucas delas relacionadas diretamente ao pênis. Algumas são mais comuns em determinadas idades, enquanto outras podem ocorrer a qualquer momento. Entenda as causas psicológicas.

Ansiedade

Ansiedade é uma reação fisiológica normal quando você precisa tocar alguma coisa. No entanto, pode ocorrer em momentos inoportunos e isso configura um distúrbio psicológico.

Quando se trata de ereção, a ansiedade prejudica essa função devido à liberação de adrenalina na corrente sanguínea. Esse hormônio torna os vasos sanguíneos mais estreitos e, portanto, o sangue tem dificuldade em alcançar o pênis.

Depressão

Outro transtorno psicológico relacionado à ereção é a depressão, que é caracterizada por intensa tristeza e perda de interesse em atividades prazerosas. Sabe-se que, em muitos casos, a depressão diminui a libido e, consequentemente, a ereção é prejudicada.

Estresse

Situações estressantes liberam vários hormônios na corrente sanguínea que impedem a circulação para o pênis.

Agora, entenda as causas físicas.

Problemas vasculares

Como a ereção depende do fluxo de sangue para o pênis, qualquer condição que interfira com esse processo pode ser a causa da disfunção erétil. Alguns desses problemas são o endurecimento das artérias (arteriosclerose) que geralmente ocorre com a idade, derrame, hipertensão, problemas cardíacos e colesterol alto.

Problemas neurológicos

Lesões da medula espinhal, esclerose múltipla e degeneração nervosa são condições que podem estar ligadas à impotência sexual. Isso ocorre porque, não raramente, essas condições cortam o caminho dos nervos, impedindo a chegada de sinais nervosos ao pênis ou até mesmo danificando os próprios nervos do pênis.

Problemas hormonais

Desequilíbrios hormonais, especialmente a falta de testosterona, influenciam muito a possibilidade de ter uma ereção de qualidade.

Priapismo

O priapismo é uma condição na qual a ereção surge não causada pelo desejo sexual, com longa duração atípica: 4 horas ou mais. Geralmente, isso ocorre devido a uma entrada ou impedimento anormal do fluxo de sangue para o pênis, gerando uma ereção prolongada.

O problema é que esta condição danifica os tecidos do pênis, o que pode resultar em disfunção erétil.

Diabetes

Com certa frequência, o diabetes provoca lesões nos nervos ou nos vasos sanguíneos que transportam o fluxo sanguíneo para o pênis, evitando a ereção.

Remédios

Existem vários medicamentos que têm um efeito colateral da impotência sexual. Anti-hipertensivos, antidepressivos e diuréticos são apenas alguns exemplos.

Cirurgia e radioterapia

Alguns procedimentos cirúrgicos podem ser a causa da disfunção, principalmente aqueles realizados no abdome, como a cirurgia do intestino grosso, reto, entre outros. A radioterapia na região pélvica também pode estar em falta. Cirurgias de próstata, em particular, são as mais prováveis ​​de desencadear o distúrbio.

Isso acontece, porque esses procedimentos podem danificar os nervos e vasos sanguíneos relacionados ao processo de ereção.

Doença de peyronie

Mais comum após a meia-idade, a doença de Peyronie é caracterizada pela formação de uma placa de tecido duro ao longo dos tubos internos do pênis (corpos cavernosos). Esta placa impede a flexibilidade do órgão e dificulta a ereção, além de causar o “encurvamento” do mesmo.

Traumas penianos

É muito raro que o pênis esteja sujeito a trauma, mas isso acontece. Quando está ereto, os corpos cavernosos se tornam tão duros que podem ser quebrados, da mesma maneira que um osso.

Disfunção erétil fisiopatologia – Classificação das origens da impotência
5 (100%) 1 voto