Considerada por muito tempo como um tabu que era difícil de conversar com seu médico, a disfunção erétil tornou-se mais fácil de resolver desde a comercialização de remédios a tratamentos específicos. A definição da solução é dada pelo grau dos problemas de ereção e neste texto será falado da disfunção erétil moderada.

O que é disfunção erétil moderada?

A disfunção erétil é a dificuldade repetida de um homem ter uma ereção ou de manter adequadamente por um tempo satisfatório. A categoria da disfunção erétil moderada (DE leve) inclui homens que podem ter uma ereção, mas sentem que não conseguem manter o suficiente para um relacionamento sexual satisfatório.

Você já ouviu falar em Disfunção erétil moderada? Sabe o que ela é? Descubra em detalhes como ela aconetece e se você está passando por isso!

Muitos homens de todas as idades, por vezes, experimentam “colapsos” relacionados à fadiga, estresse, várias preocupações ou problemas com o parceiro. Esses pequenos e ocasionais episódios não constituem a disfunção erétil por si. Para que a disfunção erétil moderada seja comprovada, é necessário que as ereções sejam sistematicamente instáveis ou ausentes durante a relação sexual.

Quais são as causas da disfunção erétil moderada?

Os problemas de ereção podem ter várias causas:

– Causas psicológicas: Depressão, problemas de relacionamento ou baixa autoestima podem ser suficientes para causar transtornos sexuais, assim como o medo de diminuição do desempenho sexual. O diálogo com seu parceiro, seu médico, um psicoterapeuta ou um sexólogo pode ajudar a desbloquear a situação.

Às vezes, os homens que sofreram um ataque cardíaco temem que a excitação sexual provoque uma nova crise. Esse medo pode ser manifestado pelo desamparo. Se você mantiver atividade física compatível com seus problemas cardíacos, a atividade sexual não é um risco adicional. Se sentir dor no peito durante o sexo, fale com o seu médico.

– Cirurgia de próstata: Alguns pacientes submetidos à cirurgia de próstata (prostatectomia) podem apresentar problemas de ereção. A cirurgia está progredindo e esses casos se tornaram menos frequentes.

– Outra doença: condições como hipertensão arterial, diabetes ou aterosclerose às vezes estão associadas a um problema de ereção. Diabetes é a principal causa de impotência em homens com mais de 50 anos. Distúrbios hormonais (como uma queda nos níveis de testosterona, por exemplo) às vezes estão envolvidos, assim como problemas com os vasos sanguíneos.

– Tabaco e álcool: Fumar diminui a capacidade sexual e pode se tornar um fator agravante na disfunção erétil, assim como o abuso de álcool.

– Medicamentos: Muitas medicações podem interferir na capacidade de alcançar ereção ou orgasmo. Os remedidos mais frequentemente envolvidos nesse transtorno são aqueles prescritos para hipertensão, colesterol ou problemas cardíacos, depressão, ansiedade ou doença de Parkinson, distúrbios da próstata, mas também alguns diuréticos.

Nunca pare seus tratamentos por conta própria, na esperança de recuperar a força! Se a disfunção erétil se desenvolver dentro de alguns dias ou semanas após o início de um novo tratamento, peça conselho ao seu médico. Ele pode ser capaz de alterar a dosagem, prescrever outro medicamento, dar conselhos de estilo de vida para melhorar a situação ou, por vezes, prescrever um tratamento da disfunção erétil para compensar esse efeito colateral.

Tratamentos

Você já ouviu falar em Disfunção erétil moderada? Sabe o que ela é? Descubra em detalhes como ela aconetece e se você está passando por isso!

A disfunção erétil moderada pode ser tratada de com vários medicamentos, se não for de origem psicológica:

– Aplicação local de prostaglandinas: Vitaros

– Medicamentos intra-uretrais: É um gel que é colocado na uretra (o canal dentro do pênis) com um aplicador especial e atua localmente. Este tratamento tem uma eficácia variável e tende a causar efeitos adversos locais (irritação, pequenos sangramentos).

– Injeções intracavernosas: A auto-injeção intravenosa envolve injetar-se no pênis uma substância destinada a causar uma ereção. Essas injeções não causam dor. Este tipo de tratamento é geralmente usado em pessoas para quem a terapia oral tem se mostrado ineficaz. Em 90% dos casos, a ereção obtida permite a penetração por até uma hora. A primeira injeção deve ser feita pelo médico no consultório médico para determinar a dose específica adequada para você e você aprende o gesto de injeção, que você praticará em casa.

– Tratamentos complementares: Essas medicações, destinadas a serem tomadas a longo prazo, são mais antigas e contêm uma substância vegetal, a ioimbina. Eles devem ser tomados todos os dias e seu efeito pode aparecer somente após várias semanas de tratamento. Seus efeitos colaterais, raros e relacionados a altas doses, são: nervosismo, irritabilidade, insônia, dores de cabeça e vertigem. Eles são mais raramente usados ​​do que drogas antes do coito.

– Outros medicamentos são Viagra, Cialis entre outros.

Disfunção erétil moderada – o que ela é?
5 (100%) 6 voto[s]