Considerados o fim do mundo por muitos homens, os problemas de ereção são, em sua maioria, relativamente simples de se resolver, afinal boa parte dos casos se originam de eventos simples, que não apenas tem cura como podem ser tratados rapidamente.

No entanto, antes de começar a buscar alternativas para resolver essa questão, é importantes entender o que pode ser considerado, de fato, como problemas de ereção ou são eventos que relacionam com outros fatores, como cansaço, insegurança ou até mesmo geram dúvidas se aquele é o momento ou a pessoa certa para uma relação sexual.

Para um homem, falhar na cama e não obter uma ereção é muito constrangedor. Mas isso não significa que você perdeu a capacidade de satisfazer seu companheiro. Muito pelo contrário. Ter dificuldades para alcançar uma ereção é normal e vai acontecer em algum momento da vida.

Aliás, estudos sobre disfunção erétil nos artigos científicosindicam que 12% dos homens até os 60 anos já falharam ou ainda irão falhar. Quando pensamos nos mais velhos, com mais de 70%, esse percentual sobe para 30%.

Um número alto, mas que não significa uma sentença que indique relações sexuais ruins ao final da vida, ao contrário. Você pode ter relações muito boas a vida toda, mesmo se considerarmos o percentual de falhas que são consideradas aceitáveis.

Por falar nisso, a mesma pesquisa indicou que só é preciso acender o sinal vermelho quando os problemas de ereção aparecem mais de quatro vezes no mesmo mês. Do contrário, é necessário apenas se acalmar e tentar aproveitar melhor a diversão entre quatro paredes.

Disfunção erétil nos artigos científicos – Os tratamentos recomendados

Qual especialista procurar para tratar de problemas de disfunção erétil?

Quando um homem se depara com a realidade de que já falhou mais de quatro vezes em um único mês, é hora de buscar um especialista que lhe indique o melhor tratamento para a questão e ter uma conversa franca com ele, explicando todo o seu problema.

Aliás, esse profissional é o urologista, médico acostumado e treinado para resolver problemas corriqueiros e mais graves na vida de um homem, sejam eles físicos ou com cunho emocional.

Por mais vergonha que você tenha, ou pense que o médico possa julgar seu caso ou mesmo compartilhá-lo por aí, é hora de deixar esse constrangimento em casa e buscar ajuda para o problema.

Isso porque, ao contrário do que você possa pensar, o médico urologista está acostumado a ouvir histórias do tipo o dia todo, e enxerga em você um paciente, e não alguém que está lhe contando algo sobre o que ele irá fofocar em seguida.

Aliás, o sigilo médico-paciente o impede de comentar seu caso com outras pessoas que não sejam especialistas que o ajudem a tratar o seu problema. De todo modo, no momento da consulta, o médico poderá identificar rapidamente as causas e lhe indicar maneiras para contornar esses problemas de ereção e devolver sua qualidade de vida e autoestima.

Quais os tratamentos sugeridos para disfunção erétil nos artigoscientíficos?

Os artigos científicos deixam muito claro que os problemas de disfunção erétil costumam ser provocados por um conjunto de fatores, relacionando o estilo de vida do paciente ao abuso de algumas substâncias.

Por isso, antes de preconizar o uso de medicamentos para estimular ereções, os textos propõem soluções mais simples, como as que traremos abaixo.

Reduzir o uso de algumas medicações

Você sabia que alguns dos remédios que você usa em seu dia a dia pode ser o causador dos problemas de ereção que vem enfrentando? Isso porque alguns medicamentos contêm princípios ativos que desencadeiam, como reação adversa, os temidos problemas de ereção.

Um exemplo disto são os anti-hipertensivos ou os anti-depressivos. Dentre seus efeitos colaterais estão as disfunções eréteis. Mas isso não significa que você deva abandonar o tratamento por conta própria. Antes, converse com seu médico e vejam juntos uma dosagem que não prejudique a qualidade de suas relações sexuais.

Disfunção erétil nos artigos científicos – Os tratamentos recomendados

Já para os demais medicamentos, de que você não tem tanta necessidade, a dica é fazer uma limpa e se livrar do que não é necessário. Lembre-se: nunca se automedique. Tomar remédio por conta própria é muito perigoso e pode prejudicar sua saúde.

Praticar atividade física

Você sabia que homens acima do peso estão mais propensos a ter dificuldades para conseguir uma ereção? Isso porque para eles, quando a circunferência do abdômen é superior a 39 polegadas, há mais chances de que eles tenham altas quantidades de gordura visceral.

A gordura visceral está relacionada a baixos índices de testosterona e, como sabemos, hormônios mais baixos significam libido em queda. Então, para os acabar com os problemas de ereção,  uma boa dica é começar aquela dieta e deixar o sedentarismo de lado.

Abandonar o tabagismo

Fumar é um verdadeiro veneno para quem quer resolver os problemas com ereções ruins ou inexistentes. Isso porque o cigarro acaba entupindo as veias do pênis, dificultando sua irrigação.

Por isso, um dos melhores tratamentos para resolver de vez os problemas de ereção é abandonar o cigarro. Afinal, dos que deixam de fumar, 25% informaram ter ereções melhores. Quer um motivo melhor do que este?

Relaxar

Todos nós levamos uma vida agitada, por isso é muito comum que, depois de sair do escritório, os problemas nos acompanhem e vão parar em nossa cama, impedindo que as relações sexuais mantidas sejam prazerosas.

Então, se você quer colocar um fim na dificuldade de ereção, é hora de relaxar e deixar os problemas do trabalho exatamente aonde eles devem ficar: no escritório. Procure pensar neles apenas durante o expediente.

Quando estiver em casa, com seu parceiro ou parceira, procure se concentrar apenas nesta pessoa, fazendo atividades relaxantes. Você vai ver como a vida no quarto será muito melhor.

Melhorar a qualidade do sono

Dormir bem melhora não apenas sua produtividade, como também propicia ereções de qualidade. Você sabia que quem dorme menos de cinco horas por dia experimenta uma queda de 10% em seus níveis de testosterona?

Como sabemos, os hormônios masculinos ajudam a dar aquela força extra na hora da ereção. E dois deles, a dopamina e a serotonina são regulados pelo sono. Ou seja, quanto menos você dorme, menor a quantidade destes hormônios em seu sangue.

Por isso, procure dormir muito bem. Entre seis e sete horas todas as noites. Valorize o sono de qualidade, aquele em que você realmente consegue descansar, e não apenas virar na cama por horas.

Reduzir o consumo de bebidas alcoólicas

Tomar uma taça de vinho pode te ajudar a relaxar, mas mais do que isso pode acabar com suas ereções. O excesso de álcool acaba minando sua libido, deixando você extremamente cansado e com muito sono.

Então, para não ter problemas com a ereção e aproveitar muito melhor as horas no quarto, reduza o consumo de bebida.

 

5.0
04