Você já ouviu falar ou já sofreu com essa condição? A disfunção erétil, também chamada de impotência sexual, é um problema que afeta a ereção do pênis, levando a uma incapacidade de manter o membro rijo o suficiente para uma relação sexual satisfatória.          A idade é um fator de risco nessa disfunção, já que quase metade dos homens acima de 40 anos sofre em alguma medida com essa impotência.

No quadro geral, estima-se que algo em torno de um quinto de todos os homens sofram com impotência sexual. Além disso, a probabilidade de se ter esse problema aumenta na terceira idade, pois a idade avançada e as doenças mais comuns dessa faixa etária predispõem a pessoa a contrair a disfunção, podendo também contribuir para a insistência do problema.

Em verdade, a disfunção erétil pode ter variadas causas. Devido à complexidade do órgão sexual masculino, a ereção deste depende de uma série de fatores e elementos orgânicos trabalhando em conjunto e de forma harmônica. Caso uma só dessas estruturas falhe, a ereção não ocorrerá. Para se ter uma ereção adequada para uma relação sexual satisfatória, é preciso mais do que apenas a excitação sexual. Fundamentalmente, a saúde de uma ereção depende da saúde do sistema circulatório, pois o enrijecimento do membro sexual do homem é, em essência, uma concentração de sangue nos corpos cavernosos do pênis. Por conta disso, muitas vezes, problemas de ereção podem, na verdade, ser sintomas de problemas mais graves no sistema sanguíneo do corpo.

Contudo, a ereção não pode ser reduzida a apenas o sistema circulatório. Como foi dito, é um fenômeno que depende de uma série de fatores trabalhando em conjunto, entre eles aspectos hormonais e até mesmo psicológicos do indivíduo. Dito isso, podemos perceber que a causa de problemas de ereção não é determinada de maneira tão autoevidente. É por isso que a atenção e o diagnóstico de um profissional de saúde são muito importantes para determinar o que causa o problema, pois pode se tratar de uma doença mais grave que está afetando o indivíduo.

Principais causas e fatores de risco

Então, procedamos a uma apuração dos principais motivos causadores de disfunção erétil, e em seguida os principais grupos e fatores de risco. Em primeiro lugar, pacientes com doenças vasculares, como hipertensão arterial e aterosclerose, estão mais propensos a esse problema, já que têm doenças que afetam a circulação saudável do sangue. Distúrbios psicológicos como depressão e esquizofrenia também estão ligados à ocorrência de disfunção erétil. Cabe aqui também ressaltar a possibilidade de doenças neurodegenerativas, a exemplo de mal de Parkinson e Alzheimer, ocasionarem quadros dessa natureza. Aqui também se incluem pacientes com distúrbios hormonais e problemas endócrinos, como níveis desregulados de testosterona e diabetes.

Contudo, como dito, o problema de disfunção erétil é complicado, e sofrer dele não implica, necessariamente, ter algumas dessas doenças mencionadas. É importante, contudo, consultar o médico para ter certeza, e encontrar um tratamento adequado para cada caso.

Alguns dos principais fatores de risco ligados à disfunção erétil dizem respeitos a alguns hábitos que fazem mal à saúde do corpo. O uso e abuso de substâncias como álcool e tabaco podem ocasionar problemas na circulação do sangue, na distribuição de oxigênio pelo corpo e, por conseguinte, problemas na ereção. Hábitos sedentários e obesidade também podem provocar quadros de disfunção erétil, uma vez que acarretam obstrução de veias e artérias. Outro grupo bastante afetado por problemas eréteis são as pessoas de mais idade, pois o avanço do tempo aumenta a chance de danos aos sistemas vasculares, o que pode ocasionar impotência sexual.

Contudo, apesar do avanço da idade ser sim considerado como um fator de risco para disfunção erétil, isso não quer dizer que pessoas jovens não possam sofrer desse problema. O abuso das substâncias mencionadas, em verdade, é muito mais frequente em pessoas jovens do que mais velhas. Além do mais, distúrbios psicológicos, emocionais e hormonais também podem afetar pessoas jovens e velhas igualmente, de modo que é preciso consultar um médico urologista para determinar as peculiaridades caso a caso.

Aqui não se excluem, por outro lado, os fatores psicológicos como causa ou como fatores catalisadores da disfunção erétil. Uma saúde mental afetada por eventos traumáticos como estresse, baixa autoestima, desemprego, crises nas finanças, perda de amigos ou entes queridos, entre outros eventos, pode levar ao desencadeamento de problemas na ereção e agravar quadros psicológicos prejudicados. Trata-se das causas psicogênicas. Por outro lado, o uso abusivo de remédios para ereção, como Viagra e Cialis, pode ser um fator de disfunção erétil iatrogênica, além de cirurgias na região pélvica e no pênis (a exemplo das cirurgias de aumento peniano).

O que diz a Sociedade Brasileira de Urologia?

E o que diz a Sociedade Brasileira de Urologia acerca de disfunção erétil?

Em primeiro lugar, a fundação estimula, acima de tudo, a procura de um profissional especialista em urologia. Este é o primeiro passo. Só com a ajuda de um urologista é que o paciente poderá encontrar as orientações necessários para o tratamento de seu caso particular. Algumas alternativas de tratamento incluem a psicoterapia, medicamentos tomados pela via oral ou por auto-injeções intracavernosas, e cirurgia de implante de prótese peniana, para os casos mais avançados. Destaca-se aqui a importância de procurar um profissional de saúde qualificado, pois o problema pode se agravar com o passar do tempo e proporcionar danos na saúde física e mental do indivíduo. Isso, por seu turno, só irá retroalimentar o problema erétil e torná-lo ainda mais difícil de controlar. Então, ache um tempo para consultar um urologista, caso você tenha sofrido com os sintomas de forma persistente.

Outra fala que também se destaca da Sociedade Brasileira de Urologia é a necessidade de se perder a vergonha para tratar esse problema. Por vezes, a vergonha dificulta até mesmo a mera procura de informações. É preciso superar esse tabu e consultar um profissional da área sem demora, para conseguir atacar as causas do problema e recuperar uma melhor qualidade de vida.

 

Disfunção erétil: o que diz a sociedade brasileira de urologia?
4.8 (95%) 4 voto[s]