Imagine que você preparou uma noite incrível, com aquela pessoa especial e, na hora H, simplesmente falhou. É desesperador, não é mesmo? Lidar com a vergonha, com o julgamento do outro e com seu próprio julgamento, achando que é incapaz de dar prazer ao outro.

Problemas de ereção, embora causem bastante constrangimento, não é algo incomum e não significam que o fim do mundo chegou. Ao contrário. Todo homem, em alguma fase de sua vida, vai ser obrigado a lidar com uma brochada.

Para alguns, as causas dos problemas de ereção ocorrem apenas uma vez, em geral na adolescência, quando estão aprendendo a lidar com seus corpos e não sabem exatamente como tudo funciona.

Já para outros, os problemas de ereção costumam aparecer em uma fase mais madura da vida, quando o corpo já não é mais o mesmo e tudo funciona mais devagar. É nesta fase, aliás, que as “brochadas” costuma constranger mais, pois muitos homens sentem que estão perdendo a masculinidade.

Mas, você sabia que o envelhecimento não é o único fator que devemos observar quando analisamos os problemas de ereção causas? Existem outros eventos que podem comprometer a libido de um homem, inclusive dos mais jovens.

Está passando por isso ou conhece alguém que está lidando com as consequências dos problemas de ereção e quer entender um pouco melhor seu problema? Então esse texto foi feito sob medida para você.

Aqui iremos debater tudo o que pode provocar os problemas de ereção, assim você poderá identificar as situações e, caso se depare com esse evento, saberá como lidar com o episódio, para que ele não provoque danos tão intensos em seu emocional.

Problemas de ereção causas

Ansiedade

A ansiedade é, de longe, um dos principais problemas de ereção causas que podemos identificar, principalmente em homens jovens ou que estão tendo suas primeiras relações sexuais.

Para eles, o medo de falhar ou não satisfazer a parceira é tão grande que eles simplesmente não conseguem manter uma ereção. Isso acontece porque, com o nervosismo, o corpo libera muita adrenalina. No organismo, o hormônio faz com que os vasos sanguíneos fiquem mais estreitos, prejudicando assim a oxigenação do pênis.

Quando um homem muito jovem brocha, ele fica arrasado por ter decepcionado não só a pessoa com quem está, como também a si mesmo, já que não se acha capaz de satisfazer o outro.

Depressão

A depressão é outro grande inimigo de uma boa ereção. Isso porque, quando a pessoa está deprimida, em geral, ela perde a vontade de interagir com outros e fazer coisas que deem prazer, incluindo também o sexo.

Além disso, durante os episódios de depressão, a libido acaba diminuindo, fazendo com que as relações sexuais percam muito a sua importância.

Estresse

Homens estressados tem enorme dificuldade em atingir uma ereção por causa da ação da adrenalina.

Esse hormônio coloca nosso corpo em alerta, redirecionando o sangue que irrigaria o pênis para outros órgãos, que poderiam ser vitais caso uma ameaça colocasse sua vida em risco, como o cérebro ou os músculos das pernas.

Além disso, a adrenalina deixa os vasos do órgão sexual masculino muito estreitos, dificultando a passagem de sangue.

Problemas vasculares

Os problemas vasculares, que costumam surgir na meia idade, são alguns dos problemas de ereção causas mais comuns nessa fase da vida, pois podem ser sinônimos de arteriosclerose, o endurecimento das artérias causadas pelo depósito de gordura nessas superfícies.

Essa gordura excessiva vem do colesterol alto, reflexo de uma vida inteira de excessos. Outro dos excessos que costuma cobrar um preço depois dos 40 é a hipertensão, fator que também prejudica a ereção.

Problemas neurológicos podem se tornar causas do problemas de ereção

Em alguns casos, os problemas de ereção tem origem em eventos muitos mais sérios, e que requerem cuidados médicos intensivos, como as lesões nos nervos provocadas por incidentes como lesões na medula espinhal, a esclerose múltipla ou, ainda, a degeneração dos nervos.

Com o caminho entre os nervos que irrigam o pênis cortado, o órgão não poderá sustentar uma ereção, mesmo que o homem deseje aquela relação sexual.

Problemas hormonais

Alguns eventos, como a andropausa, podem prejudicar a ereção graças ao descontrole hormonal que pode acontecer nesta fase. Em alguns homens, depois dos quarenta anos há um declínio dos níveis de testosterona no organismo.

Quando o hormônio masculino está em menor quantidade não só a qualidade quanto a duração da ereção são afetadas. Em geral, homens cujo nível de testosterona está desequilibrado tem ereções curtas ou sequer chegam a conseguir esse estágio.

Priapismo

O uso de pílulas para estimular a ereção, como o Viagra, também podem provocar problemas quando tomadas em excesso ou sem cuidado com o que está sendo indicado na bula do medicamento.

Isso porque esses comprimidos podem provocar ereções muito longas, de até quatro horas. É esse evento que provoca o priapismo, uma condição onde entra muito sangue no pênis, deixando-o ereto, mas esse sangue não consegue sair do órgão, fazendo com que o evento dure muito mais do que o normal.

Além de ser extremamente dolorido, o priapismo pode danificar os tecidos do pênis e, a curto e médio prazos, provocar um problema de disfunção erétil.

Diabetes

Em geral, os diabéticos podem sofrer com dificuldades para manter uma ereção, pois a doença provoca danos nos vasos que irrigam o pênis, tornando esse processo mais difícil ou, em alguns casos, até mesmo impedindo que ela aconteça.

Esse problema é mais comum quando o doente não controla as variações do diabetes, pois o excesso de açúcar no sangue pode prejudicar o funcionamento de inúmeros órgãos, além de comprometer o fígado.

Remédios

Alguns remédios, como anti-depressivos, anti-hipertensivos ou diuréticos acabam comprometendo a qualidade da ereção, graças aos componentes presentes nestes produtos. Mas isso não significa que você deva abrir mão deles para ter uma ereção de qualidade, ao contrário.

É importante conversar com seu médico e contar sobre os efeitos colaterais apresentados. Juntos, vocês poderão encontrar uma solução para o problema, sem colocar sua saúde em risco ou prejudicar a eficácia do tratamento.