Os problemas de ereção são comuns, isso é inegável. Todos os homens, em alguma fase de sua vida, precisarão se deparar com o fato de que são incapazes de manter uma ereção de qualidade ou obter uma, independente de seu desejo ou vontade de ter uma relação sexual.

O que acaba mudando é o impacto dos problemas de ereção na vida deste homem. O quanto eles são capazes de prejudicar sua qualidade de vida, seus relacionamentos ou mesmo sua autoestima.

Para alguns, a questão é tão séria que eles acabam se afastando dos amigos, da família e principalmente da pessoa amada, já que acreditam não ser capazes de satisfazê-la, apesar de seus esforços para isso.

Por isso, antes de tratar os problemas de ereção como motivo de chacota, é preciso compreender que eles são comuns, afetam todos os homens e que devem ser vistos como algo sério, que em muitos casos requer ajuda médica.

Ou seja, deixar a vergonha de lado e confessar ao médico que não está sendo capaz de obter uma boa ereção é o primeiro passo para que um homem resolva esse problema e aproveite sua vida sexual em toda a sua plenitude.

Para ajudar os homens que estão passando por essa situação, não sabem como agir e se sentem profundamente envergonhados em pedir ajuda, preparamos um texto que mostra o quão comuns são esses problemas e que, principalmente, eles têm cura.

Os problemas de ereção são comuns?

Como comentamos ao longo de nossa introdução, por mais constrangedor que isso possa parecer, os problemas de ereção, infelizmente, são comuns. Não há como negar isso, principalmente quando analisamos as estatísticas envolvidas com a questão.

Por exemplo, entre todos os seres humanos nascidos sob o sexo masculino, 155 milhões de pessoas admitiram ter problemas de ereção, mesmo que eles tenham acontecido poucas vezes e não tenham tido graves impactos em sua vida pessoal ou sexual.

Quando pensamos em nosso país esse número também é alto: 10 milhões de homens com mais de 18 anos assumiram já ter passado por isso em algum momento de suas vidas.

Só com esses números você deve ter ficado assustado e ter imaginado que os problemas de ereção são tão comuns que podem inclusive acontecer com você ou com um de seus amigos, certo?

Exatamente. Mas, apesar desses dados tão alarmantes, existe uma boa notícia escondida. Apesar deste universo tão amplo, uma parcela muito pequena, de pouco mais de 10% dos homens assumiram que seus problemas de ereção são graves e os impedem de ter uma vida sexual de qualidade.

Os outros 90% tem problemas leves a moderados, que podem ser tratados facilmente e o melhor: tem cura.

Para mostrar que isso é possível, vamos abordar dois pontos muito importantes: mostrar quais são essas medidas que podem curar o problema de ereção e falar sobre os fatores de risco que podem desencadeá-lo.

Medidas que ajudam a curar o problema de ereção

Conforme comentamos, embora se trate de um problema que afeta a maioria dos homens mundo afora, muito poucos dos que assumem ter problemas de ereção sofrem de variações graves, cuja cura é muito difícil.

Para a grande maioria, se curar da disfunção erétil é muito simples e envolve mudanças que podem ser feitas em seu dia a dia, sem a necessidade do uso de medicamentos e muito menos intervenções cirúrgicas.

Conheça essas medidas que vão ajudar a curar os problemas de ereção que apareçam em qualquer faixa etária e tenha uma vida plena em todos os aspectos.

Pratique atividade física

O sedentarismo é um dos grandes causadores de problemas de ereção em muitos homens (falaremos dele mais à frente). Por isso, para lidar com essa questão e até mesmo encontrar uma cura para o problema é crucial deixar a preguiça de lado e se exercitar.

Aliás, você sabia que muitos problemas de ereção estão ligados a doenças que podem ser controladas com atividade física, como a hipertensão arterial e os problemas de circulação?

Por isso, é fundamental criar uma sequência de exercícios. Afinal, quando você insere as atividades físicas em sua vida com certa frequência, combate esses problemas, melhorando seu desempenho sexual.

Precisa de mais um estímulo? Aqui vai. Homens que se exercitam com frequência fazendo, por exemplo, 30 minutos de caminhadas diárias, têm 40% menos chances de ficar impotentes. É ou não uma boa razão para malhar todos os dias?

Faça uma dieta saudável

A obesidade é outro dos ditos fatores de risco que favorecem o desenvolvimento de problemas de ereção, até mesmo em homens mais jovens. Por isso, é importante ter uma alimentação mais saudável para enfrentar e vencer o problema.

Na hora de fazer suas refeições, escolha frutas e verduras à vontade, deixando de lado os doces, as gorduras e também o excesso de álcool. Além de engordar, a substância tem um efeito depressor sobre o sistema nervoso central.

Isso quer dizer que o álcool relaxa. Literalmente. Quando ele relaxa todos os músculos do corpo, o mesmo acontece com o pênis, que mesmo estando muito irrigado não tem “força” para se manter rígido.

Fique de olho também no tamanho das porções. Comer pouco, de forma saudável, e a cada quatro horas ajuda a manter seu metabolismo ativo e dificulta o ganho de peso.

Abandone o fumo

Embora muito se fale e se mostre sobre os malefícios do cigarro, ele ainda está muito presente, sobretudo entre os jovens. É comum vermos grupos de jovens e um deles ter um cigarro em ter os dedos.

O que essas pessoas desconhecem é que o cigarro não faz mal apenas para o seu pulmão ou para o seu coração. Ele faz muito mal também para a sua vida sexual, comprometendo a qualidade das ereções que você terá.

Isso acontece porque os componentes presentes no cigarro, como a nicotina, além de causar dependência emocional e química afetam a capacidade do sangue de circular livremente pelo corpo.

O cigarro é capaz de endurecer os vasos sanguíneos. Quando se tornam extremamente rígidas, elas dificultam a passagem do sangue, que chega com menos força ao pênis, fazendo com que você tenha uma ereção muito curta ou sequer alcance uma.